Previsão otimista para embarques de suínos e cotações negativas

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A última semana registrou, no mercado de suínos, preços em queda na maioria das grandes localidades de comercialização. Por outro lado, os embarques apresentaram saldos positivos e com boas expectativas para o restante do mês.  

Outro dado ruim foi às altas nos custos de produção. De acordo com a Embrapa Suínos e Aves, a nutrição, com o aumento de 7%, puxou os gastos no mês de junho nas granjas. Em números, o ICPSuíno/Embrapa passou os 252 pontos, o que significa uma alta de 7,38% em relação a maio e 22,65% no acumulado do ano.

De acordo com vários produtores e representantes de associações, a situação é bastante preocupante e o mercado está sem força para reagir, em virtude do desempenho ruim do atacado, o que tem levado os produtores a abaterem animais antes do peso ideal.  

Um dos pontos centrais do atual panorama é o aumento do preço do milho, que, segundo analistas, continuaram a crescer no segundo semestre, sendo que o período mais crítico deverá ser o primeiro semestre de 2017.

 As exportações, por sua vez, seguem em ascensão. Os embarques de carne suína in natura, no mês de julho, foram positivos. De acordo com informações do Governo Federal, por meio do MDIC, somente até o dia 6 deste mês, as exportações ultrapassaram 21 mil toneladas.

Isso equivale a uma alta de 47% em comparação com junho. Há projeções de que este ano o setor tenha o aumento de 28% nas exportações, segundo a ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal).

  

Investir nas exportações seria uma forma de não ter prejuízos com a queda da comercialização. Saiba mais.

Fonte: Suino.com

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Atualizado em: 28 de julho de 2016