Perspectiva é de alta na indústria de frango em 2013

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A indústria de carne de frango prevê a recuperação na produção e um aumento das exportações em 2013, ambos da ordem de 3%, depois de um ano de retração, devido a uma alta nos custos. A perspectiva da indústria é elevar os embarques, com a abertura de novos mercados na Ásia e na África e fortalecer o desempenho do setor ao exportar produtos de maior valor agregado.

Francisco Turra, presidente da União Brasileira de Avicultura (Ubabef) disse que “neste ano, queremos melhorar a qualidade da exportação de carne de frango, com embarques de mais valor agregado”.

Os alimentos processados, que são mais caros, em 2012 responderam por 5% do volume total exportado no período, enquanto os cortes de frango tiveram fatia de 55%, o frango inteiro 36% e o salgado 5%.

“Estamos apostando um pouco mais no mercado externo, do que no mercado interno”, acrescentou Turra, ao vislumbrar a possibilidade de entrada em novos mercados.

Nigéria e Argélia estão entre os novos mercados, com a entrada de carne fresca, uma vez que estes países já importam o produto processado. A expectativa é concretizar a abertura do mercado indiano e também entrar em outros países na Ásia, como Indonésia, Malásia e Camboja.

O Brasil é o maior exportador mundial de carne de frango, com 39,7% do mercado internacional, seguido por Estados Unidos (32,5%) e o bloco europeu (10,9%), segundo e terceiro no ranking, respectivamente.

Para o presidente da Ubabef os preços de insumos devem seguir firmes, ao menos no primeiro semestre deste ano, a despeito da expectativa de uma grande safra de grãos no Brasil.

“A safra brasileira ajudará a reduzir um pouco o preço (de grãos), mas só quando soubermos o resultado da safra americana, e se os estoques mundiais estão se recuperando, é que o cenário (de custo) poderá melhorar”, disse o executivo. “É difícil ver um recuo nos preços de grãos aos níveis históricos”.

O levantamento da Ubabef  indica que o Brasil em 2012 perdeu pequena fatia nas exportações globais de carne de frango, recuando para 39,7%%, ante os 41,4% do ano anterior. Este foi o primeiro recuo na produção nacional de carne de frango desde 2000.

O presidente da Ubabef ponderou que o setor vê desafios para este ano. “Vamos brigar este ano para conseguir a monetização dos créditos acumulados”, disse Turra referindo-se aos créditos de ICMS e PIS/Cofins pagos sobre os produtos destinado às exportações, cujo estoque é estimado em 1 bilhão de reais. A ideia, segundo ele é propor ao governo que os recursos sejam utilizados em investimentos na produção.

A Ubabef também está finalizando um estudo sobre a percepção da marca do frango brasileiro no mundo e no próprio país. “O estudo está pronto e será validado em reunião com os associados”, disse Ricardo Santin, diretor de mercados da Ubabef.

Com a avaliação em mãos, a indústria planeja ter um selo “Brazilian chicken” para indicar qualidade do produto brasileiro, tanto para o mercado externo como o interno.

Santin, que viajou por países asiáticos recentemente, ressaltou que o produto brasileiro já é considerado de alta qualidade e o país é “visto com grande importância na questão da segurança alimentar”.

Fonte: Ave World

Adaptação: Portal Suínos e Aves

Conheça o Curso sobre Alimentos e Alimentação de Frangos de Corte

Veja outras publicações da Portal suínos e aves:

Saiba um pouco mais sobre a situação do mercado de aves de corte no Brasil

Chegou a hora da entrada de novas tecnologias na avicultura nacional

Qual a melhor fonte de ferro para leitões?

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Atualizado em: 22 de janeiro de 2013