Para enfrentar crise cooperativa faz retenção de frango

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

No oeste do Paraná as cooperativas que trabalham com a produção integrada de frango diminuíram o ritmo das atividades. Por causa da redução, as aves ficam nos alojamentos mais tempo do que o normal em muitas propriedades da região.

Segundo Dilvo Grolli, presidente da Coopavel, a retenção dos frangos nas granjas é uma medida de emergência para enfrentar parte da crise gerada pelo aumento no custo do frango. No médio prazo, o objetivo é reduzir a produção. “A cooperativa está tomando suas providências baixando a produção em torno de 10%. Nós abatíamos 220 mil aves ao dia e agora estamos abatendo 200 mil aves ao dia”.

O momento ainda é de ajuste para os produtores que trabalham no sistema de integração com as cooperativas do oeste do Paraná.  Os avicultores que fornecem frango para a Coopavel, cooperativa de Cascavel, está tendo que ficar com as aves mais tempo no alojamento. O que gera um gasto a mais para o produtor integrado, que tem que gastar mais com energia elétrica e com mão de obra.

Os frangos com 43 dias estão praticamente no ponto de abate e normalmente eram levados para o frigorífico com 46 dias, agora o período de engorda passou de 50 para 52 dias. Os frangos ficam quase uma semana a mais nos galpões porque o frigorifico da cooperativa não está conseguindo no momento colocar no mercado toda a produção.

Fonte: G1

Adaptação: Portal Suínos e Aves

Conheça o Curso sobre Alimentos e Alimentação de Frangos de Corte!

 

 

Veja outras publicações do Portal Suínos e Aves:

Crise na Suinocultura: desistir ou buscar alternativas?

Liberada a exportação da carne suína brasileira para a argentina

Exportação brasileira de frango no primeiro semestre aponta avanço na exportação

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Atualizado em: 24 de outubro de 2012