Os ovos de pata e codorna querem seu lugar à mesa

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O ovo, enquanto alimento, acompanha a humanidade há séculos, hábito tão antigo quanto qualquer item alimentício de nossa espécie. Consumido em larga escala, é simples, possui várias aplicações culinárias, nutritivo e versátil.

Carregou um estigma por décadas: a crença no alto colesterol. Fato que rendeu uma baixa no consumo em diversos países do mundo, mas a desmistificação desse falso valor trouxe-o novamente a destaque na dieta mundial.

O consumo de ovo de galinha assume números inalcançáveis, devido a maior facilidade de produção, rentabilidade aos produtores e culturalmente imposto como padrão.

A diferença entre os ovos de aves está no tamanho, densidade, untuosidade – assim como em preço e oferta.

Os de patas são vendidos em poucos mercados, possui sabor mais intenso, gema maior e mais oleosa.

O de avestruz é enorme, de casca rígida e baixíssima oferta no mercado nacional para o consumo direto o que lhes tornam onerosos.

Já os de codorna são pequenos, de membrana firme e casca pintada, difícil de quebrar. Recomenda-se utilizar uma faca serrilhada para quebrar os ovos in natura. E quando cozidos, a dica é esperar quatro dias após a postura, quando a membrana entre a casca e o ovo fica menos resistente. São utilizados em especial em canapés e saladas.

Com aplicabilidade diversa, o ovo de galinha lidera o mercado, mas principalmente o gosto por novos pratos e novas culturas está evidenciando os demais, ganhando destaques e buscando seu lugar à mesa.

Fonte: Folha de São Paulo

Adaptação: Portal Suínos e Aves

 

 

Conheça o Cursos de Planejamento e Produção de Frango de Corte

Veja outras publicações da Portal suínos e aves:

Para o cigarro tudo. Para a suinocultura nada

Doença de Marek

Dados da comercialização da carne de frango

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Atualizado em: 25 de maio de 2012