O estresse provocado pelo calor é um grande desafio para produção de frango de corte

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Durante os períodos quentes do ano a produção de frangos de corte nos países de clima tropical se depara com um grande desafio que é o estresse provocado pelo calor. Desafio este que gera um problema que o produtor invariavelmente não consegue evitar.

Os lotes de frangos de corte submetidos a temperaturas acima da zona de conforto apresentam desempenho deficiente e maiores taxas de mortalidade. O consumo de ração diminui e parte da energia que deveria ser usada para formação de carne é desperdiçada para dissipação do excesso de calor corporal, resultando em aves com crescimento atrasado e em perdas econômicas para o produtor.

O stress por calor ocorre mais frequentemente quando temperaturas ambientes acima da zona de conforto das aves associam-se a uma alta umidade relativa do ar, dificultando a dissipação do calor acumulado pelo organismo. “As aves respondem a essa condição de stress com mecanismos fisiológicos com o objetivo de eliminar o excesso de calor, e, como consequência disto, ocorre significativas perdas de produtividade”, explica Maria Aparecida Melo de Almeida, Gerente Técnica para avicultura da Phibro.

A gerente técnica explica que os processos de melhoramento genético dos frangos de corte trazem como benefício uma maior produtividade, mas que as aves resultantes de tais melhoramentos, no entanto, têm um metabolismo mais intenso, que gera uma maior produção de calor que, em determinadas condições, leva a perdas de produtividade. “Mesmo que nossos produtores atualmente tenham instalações de bom nível e proporcionem um manejo adequado aos frangos de corte, dificilmente deixam de ter problemas com os efeitos negativos do stress causado pelo calor”, ressalta.

Estudos utilizando frangos de corte submetidos a condições climáticas altamente estressantes, conduzidos pelo Dr. Robert Teeter, PhD da Universidade de Oklahoma, demonstram que além dos benefícios como melhorador de desempenho, a virginiamicina, componente básico de Stafac – desenvolvido pela Phibro, apresenta resultado significativo na diminuição dos efeitos negativos de stress por calor.

 

Fonte: www.diadecampo.com.br

Adaptação: Portal Suínos e Aves

 

 

Conheça os Cursos de Planejamento e Produção de Frango de Corte

 

Veja outras publicações do Portal Suínos e Aves:

Crise na Suinocultura: desistir ou buscar alternativas?

Liberada a exportação da carne suína brasileira para a argentina

Exportação brasileira de frango no primeiro semestre aponta avanço na exportação

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Atualizado em: 31 de dezembro de 2012