Material genético e raças de frangos de corte

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

É fundamental ao criador de frangos de corte conhecer o potencial genético dos animais com que se pretende trabalhar, devido à necessidade produtiva e as diversas variedades genéticas, muitas não adaptadas a criação para a comercialização de carne.

O modelo intensivo de criação depende diretamente do potencial genético dos frangos, a fim de se conseguir satisfatório ganho de peso, de conversão alimentar e de rendimento de carcaça. As pesquisas para a geração de material genético comercial foram estruturadas por cruzamento e acasalamento entre ou dentro de raças, linhas, bisavós, avós e matrizes.

Existem mais de trezentas variedades de galinhas, mas poucas com potencial genético e expressão comercial. Os híbridos modernos foram desenvolvidos após diversos consórcios genéticos, entre várias raças. Algumas são mais utilizadas, devido às características exigidas para o mercado de corte. Vejamos exemplos:

 

 

O conhecimento do potencial genético da linhagem que se pretende adquirir é fundamental e após a instalação dos pintos no sistema de produção, o manejo sanitário e nutricional, com avaliações de desempenho semanal do lote, conferindo os dados de mortalidade, ganho de peso, consumo de ração e conversão alimentar, trará respostas para o planejamento produtivo cada vez mais eficaz.

 

 

Fonte: Embrapa

Adaptação: Portal Suínos e Aves

 

 

 

 

Conheça o Cursos de Planejamento e Produção de Frango de Corte

Veja outras publicações da Portal suínos e aves:

Suínocultura tem sido de constantes oscilações

Mercado de ovo continua estagnado

Como alimentar as codornas

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Atualizado em: 2 de maio de 2012