Manejo adequado pode minimizar lesões e traumas nas aves

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Retirar as aves dos galpões de criação para o abate parece ser um trabalho simples, porém, exige muito treinamento e força física por parte dos envolvidos neste processo. Este é um momento bastante dinâmico, pois constantemente pessoas entram e saem dos galpões carregando os frangos até o caminhão de transporte, sendo necessário bastante esforço e agilidade por parte dos trabalhadores.

A fase de pega ou captura das aves é a parte inicial das chamadas operações pré-abate. Nesta fase podem ocorrer muitas perdas devido aos hematomas e fraturas, as mesmas podem gerar elevados índices de perdas, porém, até então nem todas as perdas e danos ocorridos com as aves durante a pega eram percebidos ou contabilizados pela cadeia avícola em geral.

Alguns cuidados devem ser adotados, durante a pega, para que as lesões e traumas nas aves sejam minimizados. São mudanças simples no manejo que podem gerar grandes benefícios, são elas:

  • O primeiro e mais importante passo é treinar de forma adequada os funcionários envolvidos na apanha. Cada pessoa envolvida neste processo deverá saber exatamente a função que vai desempenhar e conhecer bem suas responsabilidades. Se possível, todos deverão seguir instruções detalhadas passadas previamente;
  • Antes que ocorra a pega deve ser feita uma avaliação da ambiência interna do galpão. Caso os valores de temperatura e umidade relativa do ar estejam elevados, fora do nível de conforto das aves, a operação de pega deverá ser interrompida, devido ao maior grau de estresse a que as aves estarão submetidas, o que poderá aumentar ainda mais as perdas;
  • Devem ser feitos círculos de captura. Esta é uma prática que facilita a pega pelo fato de se trabalhar com pequenos grupos de aves e evitar grandes movimentações e aglomeração das mesmas;
  • Antes de serem feitos os círculos de captura os comedouros e bebedouros devem ser suspensos, para evitar golpes no peito e nas pernas das aves e acidentes com o pessoal responsável pela apanha;
  • O ambiente do galpão, se possível, deverá ter iluminação reduzida durante a pega. As aves apresentam menor nível de atividade com a diminuição da luz e ambientes mais escuros minimizam as reações de medo entre as aves, reduzindo assim o estresse;
  • Os ventiladores devem ser mantidos ligados durante toda a pega das aves. Deve haver ventilação adequada na altura das mesmas, para minimizar os efeitos do estresse térmico. Ventiladores ligados também reduzem o nível de pó e poeira dentro do ambiente;
  • Os trabalhos devem ser feitos de forma silenciosa, e evitar procedimentos que possam gerar reações de medo e pânico nas aves, as mesmas deverão ser manejadas de forma calma, propiciando o mínimo de agitação entre elas. Muitas vezes a rapidez com que a pega é executada gera traumas nas aves e dependendo da gravidade das lesões, pode ocorrer condenação parcial ou até mesmo total da carcaça dos animais afetados;
  • As aves devem ser pegas pelo dorso (método japonês), usando as duas mãos e pressionando as asas contra o corpo. Os animais devem ser contidos de maneira confortável, evitando que os mesmos se debatam. A pega pelo dorso oferece maior proteção, causa menos estresse e reduz os riscos de fraturas nas aves, resultando em uma menor condenação de carcaça;
  • Enquanto as aves estão sendo carregadas deve evitar que as mesmas se debatam ou leve pancadas (visando minimizar os arranhões, hematomas e outros machucados), por isso a distância que as aves serão carregadas até o caminhão deverá ser a menor possível. Para isto o caminhão de transporte deverá ser posicionado bem próximo de onde as aves sairão do galpão;
  • As portas e passagens dos galpões devem ser suficientemente largas para permitir a remoção segura das aves;
  • As aves devem ser colocadas dentro das caixas de transporte da forma mais cuidadosa possível. Se jogadas de forma brusca podem sofrer danos e fraturas;
  • As caixas carregadas com as aves devem ser manejadas de forma cuidadosa, para evitar solavancos demasiados, ou que as mesmas escapem no momento da formação da carga na carroceria do caminhão;

É necessários ainda diversos cuidados nas fases que seguem a operação da pega.  Muitos estudos têm sido conduzidos atualmente com enfoque voltado ao pré-abate dos animais.

O NEAMBE, Núcleo de Estudos em Ambiência Agrícola e Bem-estar Animal, visando promover melhores condições de bem-estar para os animais e geração de benefícios para toda a cadeia avícola brasileira, através da redução das perdas nos processos produtivos, vem pesquisando maneiras de aperfeiçoar o manejo das aves durante a etapa de pega ou apanha.

Fonte:  Dia de Campo

Autrores: Marília Lessa de V. Queiroz e José Antonio Delfino Barbosa Filho

Adaptação: Portal Suínos e Aves

 

Conheça o Curso sobre Alimentos e Alimentação de Frangos de Corte!

 

 

Veja outras publicações do Portal Suínos e Aves:

Crise na Suinocultura: desistir ou buscar alternativas?

Liberada a exportação da carne suína brasileira para a argentina

Exportação brasileira de frango no primeiro semestre aponta avanço na exportação

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Atualizado em: 11 de outubro de 2012