Embargos não impediram aumento na exportações da carne suína

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Carne suína apresentou elevação no valor e o volume de exportações no acumulado até setembro de 2012 de 1,7% e 8,9%, respectivamente, se comparados ao mesmo período do ano passado. As receitas alcançaram US$ 1,082 bilhão de janeiro a setembro deste ano, só perdendo na série histórica (iniciada em 1997) para o mesmo período de 2008, quando atingiu US$ 1,18 bilhão.

 Apesar dos embargos impostos por Argentina e Rússia, as exportações tiveram acréscimo nos embarques para sete dos 10 maiores compradores do produto. Os principais compradores foram: a Ucrânia que adquiriu US$ 285,5 milhões, acréscimo de 93% sobre 2011.  Cingapura que teve aumento nas compras de 5,2%, atingindo US$ 60,1 milhões; Angola, 5,2% (US$ 54,1 milhões); Uruguai, 27,2% (US$ 42,5 milhões); Geórgia, 115% (US$ 17,02 milhões); Emirados Árabes, 12% (US$ 13,2 milhões); e Armênia, 7,2% (US$ 10,4 milhões). Apesar das restrições da Rússia, o país foi o principal comprador do produto, totalizando US$ 281,8 milhões (queda de 23,2%). Reduções também de Hong Kong, de 1% (US$ 224,3 milhões), e da Argentina, de 40% (US$ 51,7 milhões).

Para os estados de Santa Catarina, maior exportador brasileiro do produto com um total de US$ 409,9 milhões no período em relação ao ano passado (alta de 16%), e de Goiás, que vendeu US$ 147 milhões (alta de 49%), o impacto foi positivo.

O Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, afirmou que “apesar dos bons resultados, boa parte das unidades da federação, como o Rio Grande do Sul, ainda não conseguiu compensar as barreiras impostas por alguns países. No entanto, o Governo Federal e representante do setor têm se mobilizado para resolver essas pendências”.

No segundo semestre de 2012, ocorreu a retomada das exportações brasileiras para a Argentina, depois das negociações com o governo deles. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e associações de produtores de suínos aguardam agora a avaliação de autoridades sanitárias russas sobre frigoríficos visitados no Brasil entre julho e agosto deste ano.

Desde o início do embargo, já foram realizadas mais de 160 supervisões em estabelecimentos exportadores de produtos de origem animal para a Rússia e enviados relatórios de auditoria e planos de ação, além de mais de 10 encontros com autoridades daquele país para tentar resolver o impasse. De agosto de 2011 a agosto de 2012, 26 estabelecimentos brasileiros voltaram a exportar carnes bovina, suína e de frango para a Rússia após o Mapa prestar informações quanto a inconformidades encontradas.

A produção nacional espera em 2012 iniciar as exportações de carne suína brasileira do estado de Santa Catarina para o Japão. Santa Catarina é reconhecida como livre de febre aftosa sem vacinação após cinco anos de negociações com o Ministério da Agricultura. Os japoneses são os maiores compradores mundiais do produto, importando US$ 5,2 bilhões em 2011. A expectativa do Mapa é conquistar pelo menos 10% desse mercado.

Existem outras negociações envolvendo a Coreia do Sul, União Europeia e África do Sul. “Trabalhamos para mostrar a esses países que temos condições de atender os requisitos sanitários, especialmente em relação à febre aftosa, para iniciar os embarques”, explicou Mendes Ribeiro.

 Fonte: Suínos

Adaptação: Portal Suínos e Aves

Conheça o Curso de Planejamento e Administração de Suinocultura

 

Veja outras publicações da Portal suínos e aves:

Os ovos de pata e codorna querem seu lugar à mesa

Para o cigarro tudo. Para a suinocultura nada.

veja como funiona a produção de ovos em cruzeiro do sul

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Atualizado em: 24 de outubro de 2012