Criação de galinha merece mais atenção no calor

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O calor muito forte prejudica a avicultura de uma forma geral. Segundo os pesquisadores da Embrapa Suínos e Aves é possível reduzir os problemas provocados pelo calor nos aviários seguindo algumas recomendações.

Os pesquisadores Paulo Giovanni de Abreu e Valéria Maria Nascimento Abreu, explicam como o calor atinge as aves. “Em cada idade do frango, há uma zona de conforto térmico. Para um frango adulto, por exemplo, a temperatura dentro do aviário não pode ultrapassar os 28 graus”, afirmou Valéria Abreu.

Existem muitas situações que contribuem para que a temperatura aumente dentro do aviário. A quantidade de frangos em cada metro quadrado, ou seja, a densidade é uma delas. Os equipamentos responsáveis por manter a temperatura dentro da zona de conforto, como ventiladores e nebulizadores, entram em cena neste momento. “No verão, como a temperatura externa é comumente mais alta que a interna em certos momentos do dia, os equipamentos de ventilação e resfriamento ganham maior importância ainda”, completou Valéria.

O recomendado é que cada avicultor tenha um gerador próprio de energia (de óleo diesel ou conectado à tomada de força do trator), explica os pesquisadores. Quando não há o gerador próprio e a energia acaba, o produtor pode adotar algumas medidas para amenizar a situação. Uma delas é retirar a alimentação nos horários mais quentes e fornecê-la no período mais fresco.

 Adicionar gelo no reservatório e renovar a água dos bebedouros é outra sugestão. Em aviários climatizados é indicado o abaixamento das cortinas. No entanto, em aviários do tipo “dark house” (totalmente fechados e com controle da luminosidade), essa medida pode gerar maior estresse nas aves, causando mortalidade. Também é sempre prudente na época de verão utilizar densidade de criação (aves/m²) mais baixa que no período de inverno.

Os maiores cuidados devem ser adotados na implantação do aviário, tais como localização, orientação, sombreiro, beirais e telhados, as demais dicas são medidas paliativas.  “Vale ressaltar que em situações de temperaturas extremas e deficiências no sistema de climatização dificilmente essas medidas evitarão a morte dos frangos. No máximo, elas ajudarão a diminuir a mortalidade”, alertou Valéria Abreu.

Fonte: Nordeste Rural

Adaptação: Portal Suínos e Aves

Conheça os Cursos de Planejamento e Produção de Frango de Corte

 

 

 

Veja outras publicações do Portal Suínos e Aves:

Crise na Suinocultura: desistir ou buscar alternativas?

Liberada a exportação da carne suína brasileira para a argentina

Exportação brasileira de frango no primeiro semestre aponta avanço na exportação

 

 

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Atualizado em: 8 de janeiro de 2013