Cocciodiose Aviária provoca redução na absorção de nutrientes

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Uma das doenças mais importantes na avicultura industrial é a Coccidiose Aviária, uma enfermidade causada por um protozoário do gênero Eimeria, que parasita as células intestinais destes animais, causando diarreia e enterite, resultando em uma diminuição da absorção de nutrientes.

As espécies de Eimeria que causam coccidiose em aves são: E.acervulina; E. praecox; E.maxima; E. mitisE. necatrix; E. tenella e E. brunetti. No Brasil a E. brunetti parece não ocorrer, e a E. necatrix ocorre, basicamente, em matrizes mantidas no chão. Dentro das outras espécies a E. maxima, E. acervulina e a E. tenella causam lesões típicas no intestino das aves, já a E. mitis e a E. preacox não produzem lesões típicas.

As aves infectam-se ao ingerir oocistos esporulados, presentes no ambiente, junto com cama, alimento ou água. Os oocistos têm sua parede rompida pela ação mecânica da moela, liberando os esporocistos que após sofrerem ação da enzima tripsina quinase tem os esporozoítos liberados.

A primeira fase é chamada de esquizogonia, ou fase assexuada, e tem início com a invasão dos enterócitos pelos esporozoítos, formando o esquizonte, unidade repleta de merozoítos.

Na fase sexuada tem início ao final da fase assexuada quando a última geração dos esquizontes penetra em outros enterócitos, diferenciando-se em gametas masculinos e femininos. Ocorre a fecundação do gameta feminino pelo masculino, gerando o oocisto que é liberado na luz do intestino.

A fase externa também chamada de esporogonia ocorre mediante condições, como temperatura, oxigênio, umidade e especificidade do parasita ao hospedeiro.

As infecções por Eimerias causam uma alteração estrutural das vilosidades intestinais, levando a um encolhimento destas, resultando em diminuição da capacidade de absorção. Pode ocorrer também destruição das células epiteliais do intestino, impedindo que haja a renovação destas estruturas. Outro importante dano causado na ave, em casos de espécies que acometem a região superior e mediana do intestino, é a diminuição da absorção de nutrientes como zinco, ácido oléico, metionina, histidina, cálcio, glicose e xantofila.

As aves vão apresentar sintomas conforme a espécie de Eimeira presente. Algumas das espécies patogênicas causam: diarreia que varia de mucóide à sanguinolenta, desidratação, penas arrepiadas, anemia, despigmentação da pele e prostração.

O diagnóstico pode ser feito através do histórico clínico dos animais, e sua confirmação pode ser feito através de exame laboratorial, pela técnica de microscopia. Para a realização deste, um grupo de animais deve ser sacrificado para que seja realizada uma necropsia e coletado material para o exame. Pode também ser feito um exame direto do conteúdo intestinal através de um raspado de mucosa e observação ao microscópio em busca de oocistos.

Para que se faça um bom controle e a prevenção desta doença, além de um manejo adequado, desinfecção e limpeza do ambiente são necessário o uso de anticoccidianos nas rações, ou então, utilização de vacinas.

No mercado estão disponíveis dois tipos de vacinas contra a coccidiose, as vivas atenuadas e a virulenta, sendo que a primeira opção oferece maior segurança em relação à segunda opção.

Fonte: Info Escola

Autor(a): Débora Carvalho Meldau

Conheça o Curso sobre Alimentos e Alimentação de Frangos de Corte!

 

 

 

Veja outras publicações do Portal Suínos e Aves:

Crise na Suinocultura: desistir ou buscar alternativas?

Liberada a exportação da carne suína brasileira para a argentina

Exportação brasileira de frango no primeiro semestre aponta avanço na exportação

 

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Atualizado em: 6 de dezembro de 2012