Circovirose suína

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A circovirose suína é caracterizada por um conjunto de síndromes causadas pelo circovírus Porcino tipo-2 (PCV-2). As das síndromes associadas a doenças são a Sindrome da Nefropatiae Dematite Porcina (SNDP), Tremor Congênito Suíno (TCS) e Síndrome Definhante Multissistêmica de Suínos Desmamados (SMDS), sendo esta última, a de maior importância.

A SMDS é causada pelo circovírus, acomete leitões entre 8 e 12 semanas de vida, o período de transmissão se dá entre 5 a 16 semanas de idade. A transmissão acontece por via oronasal, em maior parte de casos, o vírus infecta células do sistema imunitário, e replica-se em diversos tipos celulares, espalhando-se pelo organismo, e pela imune baixa do animal, o vírus pode infectar os órgãos-alvo, causando lesões e, consequente um quadro clínico agravado.

Os sintomas característicos da doença são o emagrecimento progressivo, perda de apetite, linfadenopatia, diarreia crônica e sintomas respiratórios. Também pode haver palidez, icterícia e úlcera gástrica. O diagnóstico da doença é possível através de exames de laboratório, feito com base nas combinações entre o quadro clínico apresentado pelo animal e com a patologia, tanto macro quanto microscópica, e também na detecção de antígenos ou de DNA.

Não existe ativo contra o vírus, por isso a melhor maneira de se evitar o aparecimento da doença é realizar um bom manejo sanitário, evitando o estresse e limitando o contado entre os animais, além de fornecer alimentos adequados. Cuidados externos também devem ser tomados como o controle de visitantes, de veículos, de acesso de animais, entre outros.

 

Fonte: Info Escola

Adaptação: Portal Suínos e Aves

 

 

Conheça o Curso de Planejamento e Administração de Suinocultura

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Atualizado em: 29 de abril de 2014