Coccidiose em Leitões: causa mais comum de diarreia

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A diarreia em leitões pode ocorrer por diferentes fatores e muito preocupa criadores, visto as taxas de mortalidade apresentada, devido à fragilidade dos animais recém-nascidos.

A Coccidiose, provocada pelo Isospora suis, é uma das causas mais comuns de diarreia em leitões. Ocorre principalmente na segunda e, algumas vezes, na terceira semana de vida, na forma de uma diarreia não-hemorrágica amarelada a esbranquiçada.

A Isospora suis é um parasita protozoário bastante encontrado em granjas suínas e de difícil eliminação, e se reproduz na mucosa intestinal dos leitões. Estes adquirem oocisto no ambiente contaminado e são necessários muitos poucos para infectar os animais. Os oocistos são extremamente resistentes e podem sobreviver por meses ou anos.

É um problema que atingem criações intensivas de suínos em todo o mundo, em especial na Austrália, Ásia, América e Europa.

O diagnóstico pode se por diferentes métodos e um fator crucial é a detecção do parasita, o que pode ser feito com segurança através da observação de oocistos excretados nas fezes.

Leitões afetados podem ser reconhecidos por sua pelagem arrepiada. Os animais infectados frequentemente se desenvolvem menos, mesmo após a diarreia ter cessado. A mucosa intestinal afetada regenera-se relativamente rápido e a diarreia deixa de ser um sintoma relevante. Entretanto, investigações mais recentes mostram que as vilosidades intestinais ainda são consideravelmente mais curtas que normalmente, mesmo semanas após o fim dos sintomas clínicos.  Os efeitos negativos sobre as leitegadas resultam em menor peso e grupos heterogêneos no momento do desmame.

O controle da incidência de coccidiose é fundamental e os produtores devem aprender a conviver com o parasita, uma vez que erradicá-lo das criações não é possível. Deve-se tentar manter as maternidades livres de oocistos.  Apenas alguns desinfetantes, particularmente os à base de cresol, tem eficácia comprovada contra oocistos, e é crucial que agentes químicos apropriados sejam aplicados quando o objetivo é o controle da coccidiose.

Fonte: Embrapa

Adaptação: Portal Suínos e Aves

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Conheça o Curso de Planejamento e Administração de Suinocultura

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Veja outras publicações da Portal suínos e aves:

Alta nos preços – frango ganha do boi e suíno vivo

O aumento das exportações de carne suína no Brasil

Padrões de consumo da carne suína

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Atualizado em: 8 de agosto de 2012