A retomada do consumo de porco caipira

Print Friendly Version of this pageImprimir Get a PDF version of this webpagePDF

A partir da década de 70, o consumo e criação de porcos caipiras se enfraqueceram devido à produção industrial em grande escala de suínos, trabalhando com raças importadas, gerando um sistema de integração produtivo nacional de quase quarenta milhões de cabeças.

A maior concentração de gordura no animal caipira, comparandocom as taxas em raças estrangeiras e geneticamente superiores, foi estrategicamente utilizada como contrapropaganda, desfavorecendo o consumo do suíno rústico, que possui quatro centímetros de toucinho, ante os dois do animal industrial.

Mas, as desmistificações sobre os possíveis malefícios da carne suína, consumida em maior escala a nível mundial, além do apelo culinário por chefs de cozinha, estão trazendo novamente em destaque o porco caipira.

É evidente que a gordura da sabor e maciez à carne. Estudos realizados com suínos ibéricos e da raça italiana cinta senese, criados livres e abatidos tardiamente, mostram que, além da quantidade maior de proteína na carne, a gordura em maior porcentagem é rica em ácidos graxos insaturados, considerados saudáveis ao consumo humano.

O grande desafio porém, está na seleção das raças caipiras que produzam de forma equilibrada, proteína e gordura. Alguns porcos não industriais podem apresentar até 70% de teor de gordura, sendo necessário encontrar animais caipiras com produção menor e manejo diferenciado, garantindo equilíbrio entre carne e toucinho, além de uma carcaça mais saborosa.

 

Fonte: Suinocultura Industrial‎

Adaptação: Portal Suínos e Aves

 

 

Conheça o Curso de Planejamento e Administração de Suinocultura

 

 

Veja outras publicações da Portal suínos e aves:

Prejuízos causados pela Argentina na exportação de carne suína

Para o cigarro tudo. Para a suinocultura nada.

veja como funiona a produção de ovos em cruzeiro do sul

 

 

 

 

Veja Também

Comentários

Deixe seu comentário

Receba nossas novidades!

Digite seu e-mail:

Curta nossa página


Tire suas dúvidas Preencha os campos abaixo